Ciência perde R$ 500 mil por hora no Brasil

tesoura

Compartilho aqui a matéria recentemente publicada no Jornal Estado de São Paulo, por Herton Escobar e que foi publicada no dia 22/06/2017 cuja referencia da fonte se encontra no final da matéria.

Cálculo foi feito por economista da UFRJ para o Tesourômetro, painel que vai mostrar em tempo real o prejuízo imposto aos institutos de pesquisa e universidades brasileiras pelos cortes orçamentários do governo federal

Meio milhão de reais por hora. Esse é o valor que a ciência brasileira está deixando de receber por conta dos cortes orçamentários aplicados ao Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), à Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) e às universidades federais neste ano.

O cálculo é do economista Carlos Frederico Leão Rocha, professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e mentor matemático do “Tesourômetro”, um contador público de quanto a Ciência e o Ensino Superior no Brasil estão deixando de receber em razão dos cortes federais – comparado ao que estava previsto na Lei Orçamentária Anual. Segundo ele, esse prejuízo é de R$ 8 mil por minuto; R$ 480 mil por hora; ou R$ 11,5 milhões por dia, aproximadamente. O déficit acumulado só neste ano deve chegar a R$ 4,3 bilhões.

Um painel eletrônico mostrando a contabilidade desse prejuízo em tempo real foi inaugurado hoje de manhã no campus da UFRJ na Praia Vermelha, zona sul do Rio, para marcar o lançamento da campanha Conhecimento Sem Cortes, um movimento contra a redução dos investimentos em ciência e o “desmonte” das universidades e institutos de pesquisa federais – onde grande parte da ciência brasileira é produzida; sem falar na formação de recursos humanos (pesquisadores, professores, engenheiros, etc).

O Tesourômetro também pode ser visto neste site: conhecimentosemcortes.com.br. Ele mostra o valor acumulado dos cortes desde janeiro de 2015, quando o orçamento desses setores começou a encolher de forma significativa. No momento da inauguração, o tamanho da facada já passava de R$ 11 bilhões.

“Isso é o quanto nós perdemos em relação ao desembolso que estava originalmente previsto”, explicou Leão Rocha, em entrevista ao Estado. O cálculo leva em conta apenas verbas de custeio e investimento, não incluindo salários. Só o orçamento do MCTIC, que já era baixo, sofreu corte de 44% este ano, retrocedendo o poder de compra da pasta em pelo menos uma década.

Um evento público de lançamento da campanha está previsto para hoje à noite, na Casa da Ciência, com a participação de várias lideranças científicas, que vão apresentar casos reais de impacto da crise orçamentária em suas instituições. A lista de participantes inclui Tatiana Roque, presidente da Associação dos Docente da UFRJ (ADUFRJ-SSind); Helena Nader, presidente da SBPC; Roberto Leher, reitor da UFRJ; Nisia Trindade, presidente da Fiocruz; e Jerson Lima Silva, diretor da Faperj.

Fonte: http://ciencia.estadao.com.br/blogs/herton-escobar/ciencia-perde-r-500-mil-por-hora-no-brasil/

XV CONGRESSO INTERNACIONAL DE TECNOLOGIA NA EDUCAÇÃO: EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA EM TEMPOS DE MUDANÇA

XV congresso

Acontecerá em RECIFE (PE), no Centro de Convenções de Pernambuco, de 20 A 22 DE SETEMBRO DE 2017, o XV CONGRESSO INTERNACIONAL DE TECNOLOGIA NA EDUCAÇÃO.

Para maiores informações, acessar: http://www.pe.senac.br/congresso/index.php

Dados mostram que próximo do final da segunda década do século XXI, a educação brasileira permanece com marcas do século passado. Nas últimas avaliações internacionais do PISA, dentre os 70 países envolvidos, obtivemos o 59º lugar em Leitura, 63º lugar em Ciências e, lamentavelmente, o 65º lugar em Matemática. Considerando os países avaliados da América do Sul, estivemos à frente apenas do Peru em Leitura e Ciências e abaixo de todos em Matemática.

O XV Congresso Internacional de Tecnologia na Educação vem reafirmar o  inconformismo com essa triste realidade, buscando através de educadores renomados do Brasil e do mundo, debater teorias e experiências educacionais inovadoras e aplicáveis, para que se possa iniciar uma nova era na educação.

Elegeu-se como tema central do XV Congresso “EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA EM TEMPOS DE MUDANÇA”. Pois deseja-se trilhar novos caminhos. Por isso, planejo-se um amplo leque de atividades: palestras, oficinas, Espaço do Conhecimento – pôsteres e Comunicação Oral, Salão de Empreendedorismo e o Prêmio Professor Lucilo Ávila.

Population Explorer: um mapa com dados da população de qualquer lugar do mundo

population

Quem somos e quantos somos? Já que vivemos na era do imediatismo (as fotos não são mais reveladas; as matérias não são mais esperadas para os jornais de amanhã, leem-se em tempo quase que real; cartas não são mais escritas, mandam-se mensagens instantâneas: e assim por diante).

Dessa forma, para que IBGE ou similar? O Population Explorer é um software on-line que pode estimar informações sobre a população qualquer região do mundo, usando como base o Landscan, um “banco de dados de alta precisão sobre populações produzido pelo Oak Ridge National Laboratory”, dos Estados Unidos. 

De acordo com os desenvolvedores, “a ferramenta é a primeira e única aplicação do tipo, e apresenta instantaneamente contagens de população e densidade em uma área flexível selecionada pelo usuário, permitindo criar e salvar cenários com base nesses dados.”

Atualmente, é possível usar a plataforma para saber quantas pessoas vivem em determinada região, quantas mulheres e homens vivem em uma dada área, qual a pirâmide etária de determinada população, quão densamente povoado é um território, entre outras aplicações, sendo de grande utilidade para autoridades municipais e governamentais de todo o mundo. 

Para ter acesso a estas aplicações, é necessário realizar o registro, no entanto, mesmo sem este, a ferramenta permite fazer várias buscas (como por exemplo, o cálculo de área e perímetro de um determinado polígono desenhado no mapa pelo usuário) e há, inclusive, tutoriais de como utilizar o Population Explorer em toda a sua potencialidade. Com as ferramentas no menu direito, é possível personalizar mapas, medir distâncias e selecionar regiões.

Acesse o Population Explorer e faça suas próprias buscas, aqui

Fonte: http://www.archdaily.com.br/br/873488/population-explorer-um-mapa-com-dados-da-populacao-de-qualquer-lugar-do-mundo?utm_medium=email&utm_source=ArchDaily%20Brasil; Population Explorer

As 25 cidades mais bem preparadas para o futuro

cidade do amanha

Dentro da série “CIDADES e seus problemas cotidianos“, publicadas regularmente aqui nesse blog, iremos discutir hoje a questão daquela utopia que sonhamos para a nossa URBE: Quais as cidades mais bem preparadas para o amanhã?

Infelizmente, nessa relação, nenhuma cidade latino americana ou africana. Por que será?

Nos próximos 30 anos, 2/3 da população mundial viverão em áreas urbanas, portanto, para acomodar esse afluxo de pessoas que trocarão o campo pela cidade, é importante que os centros urbanos estejam preparados com melhorias na infraestrutura, inovações tecnológicas, políticas inclusivas, medidas de proteção ambiental e outras estratégias para garantir o bem estar de seus habitantes.

Um relatório da consultora AT Kearney elencou 128 cidades com base em como estão se preparando para o futuro. O estudo leva em consideração diferentes dados relacionados ao desempenho ambiental, receptividade em relação à indústria criativa e qualidade de vida.

A pontuação das cidades foi dividida em quatro categorias: bem-estar pessoal, economia, inovação e governo.

Veja, a seguir, as 25 cidades mais bem preparadas para o futuro.

1. San Francisco, EUA
2. Nova Iorque, EUA
3. Paris, França
4. Londres, Reino Unido
5. Boston, EUA
6. Melbourne, Austrália
7. Munique, Alemanha
8. Houston, EUA
9. Estocolmo, Suécia
10. Moscou, Rússia
11. Singapura
12. Zurique, Suíça
13. Sydney, Austrália
14. Genebra, Suíça
15. Chicago, EUA
16. Amsterdã, Países Baixos
17. Atlanta, EUA
18. Berlim, Alemanha
19. Washington D.C., EUA
20. Toronto, Canadá
21. Copenhague, Dinamarca
22. Düsseldorf, Alemanha
23. Tóquio, Japão
24. Vancouver, Canadá
25. Los Angeles, EUA

Leia o relatório completo da AT Kearney aqui

Fonte: http://www.archdaily.com.br/br/873071/as-25-cidades-mais-bem-preparadas-para-o-futuro-segundo-a-at-kearney?utm_medium=email&utm_source=ArchDaily%20Brasil

Catálogo online disponibiliza imagens das primeiras décadas da fotografia – Europeana Photography

foto antiga

A matéria compartilhada hoje nos remota aos primórdios da fotografia. Nada digital! Mas toda uma bruma que envolvia desde a posição até a chegada do material revelado. Algo que poderia durar até meses entre o click e a sua visualização.

Uma plataforma lançada recentemente reúne imagens das primeiras décadas da fotografia. Intitulado Europeana Photography, o website disponibiliza imagens provenientes de arquivos fotográficos, agências e coleções de museus de toda a Europa, muitas das quais já estão em domínio público e podem ser baixadas e usadas livremente.

O catálogo online conta com uma ferramenta de busca que permite filtrar os resultados por palavras-chave, país, instituição e tipo de licença de uso. Dentre as obras disponíveis no site, estão fotografias de Julia Margaret Cameron, Eadweard Muybridge e Louis Daguerre, um dos responsáveis pelo advento do processo fotográfico.

O site apresenta fotografias de países de fora da Europa e uma rápida busca com a palavra “arquitetura” (em português) revela imagens antigas de São Paulo, Brasília e outras cidades brasileiras. Atualmente o Europeana Photography conta com mais de  2,2 milhões de imagens, o que faz deste um importante catálogo para pesquisadores e entusiastas da fotografia.

Europeana Photography pode ser explorado também em português, basta clicar aqui.

Fontehttp://www.archdaily.com.br/br/872397/catalogo-online-disponibiliza-imagens-das-primeiras-decadas-da-fotografia?utm_medium=email&utm_source=ArchDaily%20Brasil; Ricardo Hage; 

 

Edital de Seleção para o Curso de Especialização em Ensino de Ciência e Tecnologia

image

IFPR – Campus Telêmaco Borba lança Edital de Seleção para o Curso de Especialização em Ensino de Ciência e Tecnologia

O IFPR Telêmaco Borba lançou o curso de Especialização (Lato sensu) em Ensino de Ciência e Tecnologia, na modalidade presencial. As inscrições para o processo seletivo começaram no dia 16 de maio e seguem até 27 de julho. A pós-graduação é destinada a profissionais graduados que atuem, ou desejam atuar na área da Educação.

O curso é gratuito! Não há taxa de inscrição nem mensalidades. São ofertadas no mínimo 20 e no máximo 30 vagas.

As atividades serão realizadas às sextas e/ou sábado, das 08h00 às 12h e/ou das 13:30 h às 17:30. A duração é de mínimo 12 meses e máximo de 30, totalizando 360 horas de aulas.

As linhas de pesquisa do curso abrangem três áreas:

  • Fundamentos e metodologias para o ensino de ciências e matemática;
  • Educação Profissional;
  • Educação Tecnológica.

As inscrições para o processo seletivo devem ser realizadas na Secretaria Acadêmica do Campus Telêmaco Borba, que fica na Rodovia 160, km 19,5 – Jardim Bandeirantes, PR, 84269-090. No ato de inscrição, o candidato deve entregar os documentos solicitados pelo edital 2/2017, disponível em: http://telemaco.ifpr.edu.br/wp-content/uploads/2010/09/002-2.pdf. As aulas terão início no dia 15 de setembro de 2017.

Outras dúvidas, ou maiores informações na secretaria do Campus pelo fone (42) 3221 – 3000 ou com o coordenador do curso Prof. Berssanette pelo e-mail joao.berssanette@ifpr.edu.br.

http://pos-ect.profeberssa.com/edital-022017/

http://telemaco.ifpr.edu.br/2017/06/06/ifpr-campus-telemaco-borba-lanca-edital-de-selecao-para-o-curso-de-especializacao-em-ensino-de-ciencia-e-tecnologia/#more-13764

Relatório do WWF alerta que governo prepara estímulo à mineração sem salvaguarda ambiental

acordo de paris

No dia em que se comemora o, caótico e em fase terminal de UTI, meio ambiente, reforçado com a posição do presidente dos EUA que oficializa a saída do que o seu antecessor assinou como sendo o Acordo de Paris (http://www.mma.gov.br/clima/convencao-das-nacoes-unidas/acordo-de-paris), nada melhor do que uma reflexão de como anda, aqui pelo Brasil, essa discussão.

O governo federal prepara um pacote para beneficiar o setor de mineração e aumentar em 50% a participação mineral no PIB brasileiro. O pacote, que ainda circula de forma reservada, foi batizado de Programa para a Revitalização da Indústria Mineral Brasileira e contará com instrumentos legais como medidas provisórias, decretos e projetos de lei. O problema é que o governo pretende ajudar o setor de mineração sem garantir segurança para o meio ambiente. O alerta consta em relatório divulgado nesta terça-feira pela WWF.

Os dois pontos que mais preocupam são o avanço das atividades de mineração em área protegidas e o provável estímulo à flexibilização das regras do licenciamento ambiental, em plena discussão no Congresso Nacional neste momento.

Uma área de 46 mil km2 entre os estados do Pará e do Amapá proibida à mineração desde 1984 pode ser aberta em breve à iniciativa privada como uma das medidas prevista pelo governo Temer. O governo pretende ainda liberar 2,5 milhões de km² para a participação do capital estrangeiro em mineração na faixa de fronteira com os países vizinhos, desde o Amapá até o Rio Grande do Sul.

Segundo o Movimento pela Soberania Popular na Mineração (MAM), as faixas de fronteira atravessam 11 estados brasileiros, com uma área total de 15.719 km, e correspondem a 27% do território nacional. A concentração principal para a exploração mineral está na Amazônia. Algumas das áreas de maior interesse minerário são explicitamente citadas, como é o caso da região chamada de Cabeça de Cachorro, no estado do Amazonas, divisa com Colômbia e Venezuela. A região é marcada pela existência de diversos povos indígenas, de distintas famílias linguísticas, com centenas de aldeias e comunidades tradicionais.

Mas esta não é a única região com declarado interesse mineral. Todos os estados da região Amazônica possuem terras indígenas em conflito latente com possíveis projetos de mineração. Para além do debate necessário sobre a segurança nacional, a possível permissão irrestrita da mineração em zonas de fronteiras impactará, sobretudo, os povos indígenas e populações tradicionais da Amazônia.

“Desde as primeiras movimentações do novo governo, sinalizava-se que o golpe de Temer aceleraria o saque mineral, com projeção de maior abertura do território nacional para a exploração desenfreada dos nossos bens minerais, principalmente, quando se trata da Amazônia e da faixa de fronteira, onde estão os minerais mais estratégicos para o acúmulo de capital e revolução tecnológica. Uma das propostas do governo Temer é abrir as faixas de fronteira para qualquer projeto de mineração, de forma irrestrita”, destaca Maria Júlia Gomes Andrade, da coordenação nacional do MAM.

“O governo Temer não se diferencia da lógica de outros governos em relação à política mineral de gestões anteriores, nas quais também prevaleceu uma lógica produtivista da exploração mineral, com aparelhamento dos órgãos responsáveis por representantes das empresas, com insuficiente fiscalização e controle das atividades, e pouca governança do Estado. Mas o governo golpista demonstra um viés ainda mais acelerado e subordinado ao capital mineral. E com ainda menor abertura ao diálogo com o setor organizado da sociedade brasileira, seja movimentos ou sindicatos”, completa Maria Júlia Gomes Andrade.

Clique aqui para acessar o relatório

Sugestão de fontes:
WWF – Jaime Gesisky- especialista em Políticas Públicas do WWF – Assessoria de imprensa: Giovanna Leopoldi Giovanna@jbpresshouse.com (11)963122030

Movimento pela Soberania Popular na Mineração – Maria Júlia Gomes Andrade (31) 9 8511 7347

Coordenação Nacional do MAM – comunicacaomam@gmail.com – Jarbas Vieira – (61) 9 8336 4399

Coordenação Nacional do MAM – comunicacaomam@gmail.com – Flávia Quirino

Assessoria de Imprensa do MAM – (61) 98336 4399 – comunicacaomam@gmail.com

Ministério de Minas e Energia – Assessoria de Comunicação – (61) 2032-5620/5588
ascom@mme.gov.br

Fonte: http://midiaeamazonia.andi.org.br/pauta/relatorio-do-wwf-alerta-que-governo-prepara-estimulo-mineracao-sem-salvaguarda-ambiental?utm_source=akna&utm_medium=email&utm_campaign=Pauta%20%2020170523