Pesquisa da Unicamp descobre uso de nanopartículas de ferro para fortificar leite para recém-nascidos

leite

A notícia hoje compartilhada pode parecer estranha mas é tão impactante para as nossas vidas quanto foi a inclusão do Iodo no sal nosso de cada dia. O elemento Ferro é crítico em crianças e em mulheres durante o período gestacional e em amamentação.

Dessa forma, apesar dos “trancos e barrancos”, do que significa pesquisar em um país onde pesquisa nunca foi prioridade, observa-se que uma investigação desenvolvida pela Unicamp, em Campinas (SP), em parceria com a Universidade de Oviedo, na Espanha, encontrou uma forma de utilizar nanopartículas de ferro na fortificação de leite para recém-nascidos. A tecnologia é possível tanto para uso em fórmulas infantis como para ser somada ao leite materno.

A descoberta desse uso permite que o ferro – essencial para evitar doenças como anemia e para estimular o desenvolvimento do bebê – seja melhor absorvido pelo organismo. O teste foi feito em cobaias e o próximo passo é fazer experimentos in vitro (teste em laboratório com células intestinais).

A partir do leite materno

A nanopartícula ainda não havia sido testada como fortificante, segundo a pesquisadora. Em parceria com a Faculdade de Ciências Médicas (FCM) da Unicamp, foi analisado o ferro na composição do leite materno. Já o estudo do metabolismo desse componente químico foi feito na Espanha, com tecnologia avançada.

“No Brasil não tem os equipamentos necessários para fazer as análises, então parte delas foi feita em Oviedo. Fizemos o estudo do metabolismo do ferro quando administrado sob a forma de nanopartículas. […] O estudo é inédito por conta dos métodos usados para estudar o metabolismo”, explica Rafaella.

Integram o grupo de pesquisadores a professora Solange Cadore, do departamento de química analítica do Instituto de Química, e o professor Alfredo Sanz Medel, do departamento de físico-química e analítica na Espanha, supervisor dos estudos.

No leite materno, o ferro está ligado a proteínas, é o que faz com que ele seja melhor absorvido, segundo Rafaella.

Desenvolvimento do bebê

A absorção do ferro pelo organismo, principalmente, de recém-nascidos é essencial para a prevenção de doenças como a anemia e o crescimento da criança.

Em relação aos bebês prematuros, Rafaella ressalta que muitas vezes o leite materno não está disponível, e eles têm maior necessidade de ingerir nutrientes. Nesses casos, a opção é o leite humano doado ou as fórmulas infantis.

“É aí que essa nanopartícula pode ser utilizada. Nós temos o ferro de uma maneira que ele possa ser melhor absorvido. […] Às vezes, tem bebês que nascem com enfermidades que necessitam de maior teor de ferro. Se o ferro tem maior biodisponibilidade [melhor absorção no organismo] não precisa adicionar tanto e possivelmente não tem nenhum efeito tóxico para o organismo”, diz.

Atualmente é usado sulfato ferroso nas fórmulas infantis, mas, segundo Rafaella, já se sabe que o organismo absorve pouco – em média 5% -, o que acaba fazendo com que os fabricantes adicionem mais desse “ingrediente” no leite. Segundo o estudo, em excesso, o sulfato ferroso pode causar efeitos gastrointestinais colaterais e interferir na absorção de outros nutrientes.

Metabolismo em cobaias

Em cobaias, os pesquisadores analisaram como as nanopartículas de ferro se metabolizam no organismo a partir da fórmulas de leite. Ela foi administrada em ratos e, posteriormente, o foco foi o resultado no sangue e no fígado.

Próximos passos

A pesquisadora explica que mais testes com relação ao metabolismo e a biodisponibilidade in vitro ainda estão sendo realizados.

“Em laboratório, simulamos uma camada intestinal, e isso em um método que o laboratório da professora Solange foi pioneiro no Brasil. Fazendo os testes in vitro temos a possibilidade de fazer um número maior de ensaios”, explica.

A nanopartícula de ferro já está patenteada e a pesquisa está em processo de publicação em revistas internacionais. O estudo segue em andamento e, segundo Rafaella, ainda não há uma previsão para que a novidade seja disponibilizada no mercado.

Fonte: https://g1.globo.com/sp/campinas-regiao/noticia/pesquisa-da-unicamp-descobre-uso-de-nanoparticulas-de-ferro-para-fortificar-leite-de-recem-nascidos.ghtml

Anúncios

Vaga Pós-Doc: a quem interessar possa!

pos-doc
A Coordenação do Programa de Pós-Graduação em Ciências Ambientais (PPGCA) informa que está disponível o Edital 37/2016 de Seleção para Pós-Doutorado. As informações referente ao processo de seleção se encontram no link:
Podem inscrever-se para o processo seletivo portadores de título de doutor  obtido em programas da grande área Multidisciplinar ou na grande área da Engenharias III (sendo exigido doutorado em Engenharia de Produção ou Engenharia Mecânica) ou na grande área Administração, Ciências contábeis e Turismo (sendo exigido doutorado em Administração) avaliados pela CAPES e reconhecidos pelo CNE/MEC, ou no exterior.
Os candidatos também não podem possuir vínculo empregatício e deverão dispor de 40h semanais para se dedicar ao PPGCA.
Os documentos necessários estão descritos no Edital.
Maiores informações sobre o PPGCA podem ser obtidas no site do programa: http://www.unifal- mg.edu.br/ppgca/

PÓS-DOUTORADO EM GEOGRAFIA: A QUEM INTERESSAR POSSA!

Edital de seleção de bolsista PNDP/CAPES para Pós-Doc. em Geografia
Edital para seleção de bolsista PNDP/CAPES no PPGG – Programa de Pós-Graduação Stricto sensu em Geografia

UNIOESTE – Universidade Estadual do Oeste do Paraná
Campus de Marechal Cândido Rondon
Rua Pernambuco, 1777 – Caixa Postal 91
85960-000 – Marechal Cândido Rondon – PR
Fone: (45) 3284-7914
www.unioeste.br/pos/geografia
Coordenador: Prof. Dr. Ericson Hideki Hayakawa

O Coordenador do Programa de Pós-Graduação Strictu Sensu em Geografia, Nível Mestrado, no uso de suas atribuições legais; Considerando a concessão do PNPD/CAPES, conforme previsto na Portaria CAPES no 86/2013, de 03 de julho de 2013, podendo ser consultado no endereço (http://www.capes.gov.br/images/stories/download/legislacao/Portaria_86_2013_Regulamento_PNPD.pdf).
Abertura de inscrição no período de 14 de agosto a 11 de setembro de 2015, do Processo Seletivo de candidato a 01 (uma) bolsa de estudos do Programa Nacional de Pós-Doutorado PNPD/2013, para desenvolver atividades no Programa de Pós-Graduação Strictu sensu em Geografia (PPGG), Nível Mestrado, da Unioeste, Campus de Marechal Cândido Rondon.
O resultado final do processo de seleção será publicado em Edital e disponibilizado na página do PPGG (http://www.unioeste.br/pos/geografiamcr no Menu Editais) até o dia 17 de setembro de 2015.