‘Guia do Preguiçoso para Salvar o Mundo’ com dicas de pequenas atitudes para o dia a dia

guia

(To read in English, please type: http://www.un.org/sustainabledevelopment/takeaction/)

Pois é, até parece piada. Mas em época de elevadíssimo stress, cansaço e irritação, a UNIC (sigla em inglês para o Centro de Informações das Nações Unidas) acaba de lançar o Guia do Preguiçoso.

Você quer ajudar a mudar e salvar o mundo mas tem preguiça até de levantar do sofá para pegar o controle remoto? Então confira o Guia do Preguiçoso para Salvar o Mundo, campanha digital que o Centro de Informação das Nações Unidas para o Brasil (UNIC Rio) lançou neste 10 de dezembro – Dia Internacional dos Direitos Humanos.

O UNIC Rio produziu 42 postais em português adaptando o material criado em inglês que dá dicas de atitudes que podem ser tomadas para alcançar os Objetivos de Desenvolvimento sustentável (ODS) da Agenda 2030.

A Agenda é um plano de ação para as pessoas, para o planeta e para a prosperidade, com o objetivo de não deixar ninguém para trás. Os ODS buscam concretizar os direitos humanos de todos e são integrados e indivisíveis, equilibrando as três dimensões do desenvolvimento sustentável: econômica, social e ambiental.

“Este guia nos lembra que os direitos humanos são exercidos dia após dia, por cada um de nós, e todos podemos fazer uma diferença. Os direitos humanos não são unicamente políticos ou civis, mas também econômicos, sociais e culturais, e a cada dia mais ambientais”, avalia o diretor do UNIC Rio, Maurizio Giuliano.

O Guia do Preguiçoso traz dicas divididas em categorias: Sofá Superstar, Heroína ou Herói da Família e Pessoa Legal do Bairro, de acordo com o grau de envolvimento e dificuldade da mudança de comportamento.

Alguns exemplos: pagar as contas online e cancelar extratos bancários em papel evita a destruição de florestas. Apagar as luzes – inclusive da sala, se a iluminação da TV ou do computador forem suficientes – economiza energia. Comprar produtos que usem pouca embalagem.

Reaproveitar a água da chuva para limpar calçadas e regar plantas. Comprar em lojas de segunda mão: produtos novos não são necessariamente melhores.

O diretor do UNIC Rio lembra que muitas das ações estão ligadas ao meio ambiente: “Isto nos lembra algo muito crítico, quase dramático: temos todos que trabalhar para que o planeta Terra siga sendo habitável”, afirma Maurizio Giuliano.

A campanha tem 42 dicas que podem ser aplicadas no dia a dia de qualquer pessoa e entra no ar das redes da ONU Brasil a partir de 10 de dezembro. A data marca o Dia Internacional dos Direitos Humanos, quando a Assembleia Geral da ONU adotou, em 1948, a Declaração Universal dos Direitos Humanos, que completa 70 anos em 2018.

Fonte: https://nacoesunidas.org/unic-rio-lanca-guia-do-preguicoso-para-salvar-o-mundo-com-dicas-de-pequenas-atitudes-para-o-dia-a-dia/amp/

Anúncios

Mapa interativo mostra os recentes fluxos migratórios no mundo

migratório

Será que fluxo migratório humano é coisa do passado? Coisa nenhuma!

Esse documentário, que hoje compartilho, mostra que em pleno século XXI nunca se migrou tanto de um lugar para outro, sejam por intransigências políticas, ou religiosas, guerras ou por ignorância humana mesmo, de não se saber apenas ceder.

Lógico que ao se migrar, carrega-se consigo, além da dor e o sentimento de perda, além do estado forasteiro, um apartado de composições culturais, históricas, de povos, raças, línguas e tantas outras coisas mais.

Nesse mapa de fácil acesso, conseguiremos ver esse fluxo, talvez não consigamos entender do por que? Muito embora Milton Nascimento já dissesse que “o trem que chega é o mesmo trem da partida. Uma vez que  a hora do encontro é também despedida”.

Assim, em nossa sociedade global, o movimento dos seres humanos de um país para outro teve um impacto extraordinário, mudando nossas percepções através da troca de idéias e introdução de novas culturas. Isso pode ser visto na adoção de técnicas arquitetônicas tradicionais na arquitetura contemporânea, bem como na disseminação de abordagens arquitetônicas contrastantes, como o Estilo Internacional e o regionalismo crítico.

Agora, neste novo mapa interativo produzido por Max Galka de Metrocosm, esses movimentos foram rastreados e ilustrados em um infográfico atraente e fácil de ler.

Para criar este mapa, Galka localizou as estatísticas de imigração das estimativas da Divisão de População da ONU de 2010 para 2015, procurando responder às perguntas: “Quantos migrantes existem? De onde eles estão vindo? E para onde vão?

Confira o mapa interativo clicando em http://metrocosm.com/global-migration-map.html e acesse Metrocosm para uma análise completa. Clique nos círculos para ver as estatísticas de cada país – vermelho significa perda de população e azul ganho.

Fonte: https://www.archdaily.com.br/br/804784/mapa-interativo-mostra-os-recentes-fluxos-migratorios-no-mundo?utm_medium=email&utm_source=ArchDaily%20Brasil

PALESTRA INTERNACIONAL EM CURITIBA (PR) SOBRE ECOLOGIA E PLANEJAMENTO URBANO

polonia 2

Prezados colegas, professores, alunos e comunidade em geral, no dia 30 de novembro (quinta-feira), se realizará no Auditório do IFPR – Instituto Federal do Paraná, Campus Curitiba, localizado na Rua João Negrão, 1285 – bairro Rebouças, com ENTRADA FRANCA, uma palestra internacional, com os professores Piotr Tryjanowski (Universidade de Poznan, Polônia) e Martin Hromada (Universidade de Presov, Eslováquia), além do professor Fabio Angeoletto, do Mestrado em Geografia da UFMT em Rondonópolis.

A visita dos professores europeus tem por objetivo ministrar conferências sobre ecologia humana, ecologia urbana no contexto do Planejamento Urbano. Essas conferências vão acontecer em dois horários (11:00 e 19:30 hs).

polonia 1

A expectativa é conseguir reunir pessoas de todos os segmentos da sociedade local.

O tema abordará entre outros sobre a Análise Comparativa entre a ecologia de cidades do Brasil, Eslováquia e Polônia, no qual Hromada e Tryjanowski estão compilando dados socioambientais das cidades dos seus países, para compararmos com dados de cidades brasileiras. “Vamos compreender quais são as semelhanças e diferenças da urbanização de cidades da Europa e do Brasil. Injustiça Ambiental na Arborização Urbana.

O alerta dos pesquisadores é o de que a manutenção desses serviços depende crescentemente de como se manifestam os padrões de crescimento urbano. “As cidades estão geralmente localizadas em ambientes cruciais à conservação da biodiversidade, como rios e florestas, o que evidencia a importância do planejamento de cidades mais amigáveis para a vida silvestre. Indubitavelmente, o planejamento adequado dos ecossistemas urbanos é tão importante à conservação ambiental quanto o estabelecimento de áreas naturais legalmente protegidas”.

“O desenvolvimento de mecanismos para a compreensão das conexões entre a urbanização e a degradação ambiental é um desafio complexo, dados os múltiplos fatores sociais, ambientais, culturais e econômicos que devem ser considerados nestas pesquisas. Mas é preciso produzir informações e conhecimentos que guiem planejadores e gestores em suas decisões”, concordam os pesquisadores.

Manual técnico de arborização urbana com espécies da mata atlântica é lançado em Salvador (Bahia)

salvador árvores

Eu falo “exaustivamente muito” sobre a importância do verde em áreas urbanas. Desde o processo de reconstrução do caos causado pela Revolução Industrial e seus desdobramentos. Assim, compartilho essa matéria que vem de Salvador e que deve ser replicada em todas as demais cidades do Brasil.

Assim, foi lançado essa semana na capital baiana o Manual Técnico de Arborização Urbana de Salvador com espécies nativas da Mata Atlântica. O documento, que contém um guia com 50 espécies do bioma indicadas para plantios nas calçadas da cidade, passa a ser o instrumento legal e técnico para orientar profissionais e cidadãos na escolha de espécies adequadas que se integrem às características do município. A nova publicação tem a chancela da Sociedade Brasileira de Arborização Urbana (SBAU) e é uma das primeiras regulamentações do Plano Diretor de Arborização Urbana (Lei Municipal 9187/2017), do PDDU (Lei Municipal 9069/2016) e da Lei Municipal de Ordenamento e Uso e Ocupação do Solo – LOUOS (Lei 9148/2016).

Com ilustrações, diagramas e explicações técnicas de plantio escritas em uma linguagem simples e bem ilustrada, o livro foi elaborado de forma participativa, em colaboração com técnicos e estudiosos da área, com o objetivo de servir de guia para intervenções na capital baiana.

De acordo com André Fraga, secretário municipal da Cidade Sustentável e Inovação, a produção do manual é uma demanda antiga do município. “Salvador nunca possuiu regras ou orientações técnicas para plantio de árvores na cidade. Além disso, outro objetivo dessa publicação é de popularizarmos nossas espécies nativas do bioma Mata Atlântica”, ressalta.

Orientações técnicas

Para plantios em passeios, por exemplo, o manual destaca a necessidade de verificar a largura do corredor, para harmonizar a circulação dos pedestres e o desenvolvimento da árvore. Considerando que Salvador possui ruas estreitas e calçadas ainda mais estreitadas, buscou-se encontrar uma largura mínima que pudesse compatibilizar a acessibilidade com a arborização e outros elementos urbanos. Além disso, é preciso usar espécies com sistemas radiculares que reduzem danos nas calçadas e sistemas subterrâneos como água, esgoto e telefonia. O Manual explica ainda os fatores que devem ser levados em conta na hora do plantio – como porte, formato da copa (reduzindo a demanda constante e dispendiosa por podas) e adaptação ao clima.

A distância da árvore de mobiliários urbanos como sinalização de trânsito, semáforos, hidrantes e etc, é outro elemento importante considerado no manual.

Guia de espécies

Um dos diferenciais do manual de Salvador é o guia com fotografias e a ficha técnica contendo informações e características de cada uma das de 50 espécies indicadas para serem plantadas em ambiente urbano, como ambiente de origem, porte, locais para plantio e folhagem. Todas as plantas citadas são nativas da Mata Atlântica, bioma nativo de Salvador.

A publicação está disponível para download gratuito no site do projeto Salvador, Capital da Mata Atlântica.

Fonte: https://www.archdaily.com.br/br/883464/manual-tecnico-de-arborizacao-urbana-com-especies-da-mata-atlantica-e-lancado-em-salvador?utm_medium=email&utm_source=ArchDaily%20Brasil

Mona Lisa nua é autêntica, dizem especialistas do Louvre

mona

Vamos abrir espaço hoje para falarmos de arte ao tempo em que envolvemos um dos maiores enigmas de todos os tempos: MONA LISA!

Replico aqui uma matéria publicada, entre vários outros sites, na UOL.

Teste científico aponta ser a mesma modelo

A Mona Lisa, de Leonardo da Vinci (1503) que já foi alvo de diversas polêmicas ganhou agora mais uma para a coleção. Especialistas do Museu do Louvre notaram que um antigo esboço feito em carvão é muito semelhante à misteriosa figura retratada.

A imagem foi encontrada em seu estúdio Leonardo da Vinci e foi chamada de “Monna Vanna”. Faz parte de uma coleção de arte Renascentista do Museu Condé, norte de Paris. E apesar das várias semelhanças nunca foi atribuída ao artista, mas a seus assistentes. Novas pistas levaram os especialistas a mudarem de ideia.

Semelhanças

Testes realizados no Museu do Louvre apontam semelhanças nas mãos, no corpo e no tamanho das imagens, levando assim a acreditar que o desenho é da mesma mulher e foi feito ao menos em parte pelo artista.”O desenho tem uma qualidade na forma como o rosto e as mãos foram desenhados que é realmente notável “, diz o especialista Mathieu Deldicque, “Não se trata de uma cópia inferior.”

Controvérsia

O conservador do Louvre, Bruno Mottin confirmou que a imagem data a mesma época em que o pintor viveu, mas há um impedimento para a confirmação definitiva. Os testes revelaram que um detalhe do esboço foi feita por uma pessoa destra, e da Vinci era canhoto.
A autoria definitiva pode demorar a ser confirmada. Devido à fragilidade da obra, os especialistas encontram algumas dificuldades para realizar mais testes.

 

Fonte: http://aventurasnahistoria.uol.com.br/noticias/historia-hoje/mona-lisa-nua-e-autentica-dizem-especialistas-do-louvre.phtml#.WdBDCFtSzZ6

BNDES LANÇA PRÊMIO PARA VALORIZAR PRÁTICAS AGRÍCOLAS TRADICIONAIS DO BRASIL

BNDES

Objetivo é ajudar os sistemas agrícolas tradicionais brasileiros a concorrerem a título internacional de reconhecimento da FAO

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) anunciou no último dia 12, uma iniciativa que irá contribuir para que as práticas de agricultura tradicional do Brasil concorram, pela primeira vez, a um importante reconhecimento internacional da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO).

Em parceria com a FAO, a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) e o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), será anunciado, em cerimônia no 6º Congresso Latino-Americano de Agroecologia (Agroecologia 2017), em Brasília, o Prêmio BNDES de Boas Práticas para Sistemas Agrícolas Tradicionais.

Até quinze Sistemas Agrícolas Tradicionais (SATs) brasileiros receberão prêmios em dinheiro, capacitação da Embrapa e orientação para se candidatarem a receber o título de “Sistema Agrícola Tradicional Globalmente Importante” (Globally Important Agricultural Heritage System, GIAHS).

A FAO já concedeu o título de GIAHS a 36 sistemas agrícolas históricos de 17 países, mas o Brasil ainda não foi contemplado. Os países que já têm GIAHS são Chile, Peru, México, Argélia, Irã, Marrocos, Tunísia, Emirados Árabes Unidos, Egito, Quênia, Tanzânia, Filipinas, China, Bangladesh, Índia, Japão e Coreia do Sul.

Um Sistema Agrícola Tradicional é definido como um conjunto de elementos que inclui saberes, mitos, formas de organização social, práticas, produtos, técnicas/artefatos e outras manifestações associadas. Eles formam sistemas culturais que envolvem espaços, práticas alimentares e agroecossistemas manejados por povos e comunidades tradicionais e por agricultores familiares. Os SATs integram o patrimônio cultural imaterial das comunidades que os praticam.

Para essa iniciativa, o BNDES disponibilizará recursos de seu Fundo Social para dar prêmios de R$ 70 mil a 5 SATs, e R$ 50 mil a outros 10 SATs. Além disso, todos os premiados receberão uma ajuda de R$ 5 mil para participar cerimônia de premiação, que contará com um Evento de Capacitação da Embrapa, para ajudar as comunidades a manter suas tradições agrícolas.

De acordo com o Relatório sobre o Estado dos Recursos Genéticos de Plantas do Mundo, apresentado durante a 4ª Conferência Técnica Internacional sobre os Recursos Fitogenéticos, realizada em 1996 em Leipzig, na Alemanha, nos últimos 100 anos agricultores de todo o mundo perderam entre 90% e 95% de suas variedades e práticas agrícolas.

Veja as regras do Prêmio BNDES de Boas Práticas para Sistemas Agrícolas Tradicionais.

Fonte: https://www.bndes.gov.br/wps/portal/site/home/imprensa/noticias/conteudo/bndes-lan-a-pr-mio-para-valorizar-pr-ticas-agr-colas-tradicionais-do-brasil

BRASIL CONSTRÓI SUA 1ª CIDADE 100% INTELIGENTE E SUSTENTÁVEL (IDEALIZADA PARA A POPULAÇÃO DE BAIXA RENDA)

Croatá

Parece uma notícia fake mas não é! o Jornal Comunicação e Informação da FAO, Número 204,  28 de Agosto a 01 de Setembro de 2017 (http://boaspraticas.org.br/index.php/pt/informativo-fao-brasil) nos brinda com essa boa matéria.

Ela está chegando e já tem até nome: Croatá Laguna EcoPark. Trata-se da primeira cidade 100% inteligente e sustentável a ser construída no Brasil, com apoio das companhias italianas Planeta Idea e SocialFare e da StarTAU, nome do Centro de Empreendedorismo da Universidade de Tel Aviv, em Israel.

As três empresas israelenses que participarão são Magos, fabricante de radares para segurança, GreenIQ​­, sistema que controla a irrigação com base na previsão do tempo, economizando até 50% de água, e Pixtier, plataforma em nuvem que fornece mapas em 3D, permitindo planejamento e gerenciamento eficientes das cidades.

A ideia da smart city social insere-se em um contexto internacional que identifica, sobretudo nos países emergentes, dois fenômenos: 1) os fluxos migratórios dos campos levarão a população que vive nas cidades dos atuais 50% a um percentual de 80% nos próximos 25 anos; 2) 27% da população mundial têm menos de 15 anos. Isso quer dizer que, nos próximos anos, essas pessoas entrarão para o mercado de trabalho e precisarão de casas e serviços. “Essa tipologia de cidade nasce para gerir de forma ordenada tais fluxos com serviços inovadores”, disse Gianni Savio, diretor geral da Planet Idea, à revista Comunità Italiana.

O empreendimento está sendo erguido no Ceará e deve se tornar referência para outros municípios do Brasil, assim que for inaugurado (ainda em 2017, segundo prometem os envolvidos no projeto).

Em sua primeira fase, a cidade contará com espaço residencial para 150 casas, além de um porto (que até 2025 deve ser o segundo maior do Brasil!) e áreas destinadas ao lazer, comércio, serviços públicos e indústria. Entre outros benefícios, o empreendimento terá: corredores verdes ao longo de toda a cidade, ciclovias de ponta a ponta do município, tratamento de águas residuais, aproveitamento de águas pluviais, coleta inteligente de resíduos, produção de energia solar e eólicapraças com equipamentos esportivos que geram energia por meio dos movimentos dos cidadãos; monitoramento da qualidade do ar e da água; redes inteligentes de eletricidade e água; iluminação pública inteligente; aplicativos para serviços de mobilidade compartilhada, como carros, motos e bikes; hortas compartilhadas espalhadas por toda a cidade; infraestrutura digital com wi-fi grátis para todos os moradores.

E mais: a população poderá saber tudo o que acontece na cidade, em tempo real, por meio de aplicativo, que funciona como uma espécie de painel de controle do Croatá Laguna EcoPark.

Uma casa por lá custará cerca de R$ 24.300, segundo os idealizadores, que podem ser pagos em até 120 vezes, exatamente para ser uma alternativa à população de baixa renda. 

FonteDébora Spitzcovsky / Mundo

Fontehttp://www.conib.org.br/noticias/3222/israelenses-ajudam-a-construir-no-cear-a-primeira-cidade-inteligente-para-populao-de-baixa-renda